Separação conjugal: conheça os documentos necessários para o processo

Escrito por Luciano Batista de Lima
Publicado em 14 jan 19

A separação conjugal pode ser formalizada de maneira consensual, ou seja, em comum acordo entre os cônjuges, desde que o casal não tenha filhos menores de idade. Essa é a previsão da lei 11.441/2007. Para isso, é necessário comparecer ao cartório e fazer a solicitação. Trata-se de divórcio extrajudicial, feito por escritura pública.

Por outro lado, quando há filhos menores de 18 anos e divergências relativas à partilha dos bens, o divórcio litigioso será obrigatório, ou seja, será homologado apenas em juízo.

Pensando nisso, apresentaremos os procedimentos necessários para o processo de separação conjugal e os documentos necessários, bem como os direitos e deveres de cada uma das partes. Confira!

Quais são os documentos necessários para dar entrada na separação conjugal?

Em regra, os documentos exigidos são os seguintes:

  • certidão de casamento;
  • documentos da aquisição dos bens compartilhados;
  • certidão de nascimento dos filhos;
  • pacto pré-nupcial (se houver);
  • cópia dos documentos dos conjugues.

Em caso de separação não amigável, podem ser juntados documentos que comprovem a má conduta do cônjuge e que justifiquem, assim, o pedido de separação:

  • boletim de ocorrência;
  • exame de corpo de delito;
  • gravações e e-mails etc.

Quais são os direitos e deveres de cada parte depois do processo de separação conjugal?

Tire suas dúvidas a seguir sobre os direitos e deveres de ambos os ex-cônjuges após a separação.

Patrimônio após o divórcio

O patrimônio a que cada um terá direito vai depender diretamente do regime de bens que foi escolhido pelo casal no momento do casamento ou no acordo pré-nupcial, se houver.

Guarda dos filhos

O recomendado pela lei é a estipulação da guarda compartilhada. Nesse sistema, ambos os genitores ficam responsáveis por tomar conta dos filhos. Nesse sentido, tanto o pai quanto a mãe têm os mesmos direitos e obrigações de criação do menor.

Geralmente, ele passa metade da semana com a mãe e a outra com o pai. Claro que tudo será determinado pelo juiz levando em conta o bem-estar, a rotina e as necessidades do menor.

Pensão dos filhos

A pensão é dever e precisa ser paga aos filhos menores até eles completarem 18 anos de idade ou finalizarem os estudos na universidade até os 24 anos. O valor devido é estipulado por ambas as partes no caso de divórcio é consentido.

Contudo, se não houver acordo, o magistrado vai decidir a quantia que o filho tem direito, observando as condições financeiras de quem tem o dever da pensão e as necessidades do filho.

Arrependimento

Se porventura, o casal se separar, mas se arrepender da decisão depois, é possível revogar o ato de separação reestabelecer a situação conjugal anterior. Assim, ambos são considerados casados de novo para fins legais.

Por outro lado, o divórcio representa a extinção do vínculo conjugal que existia entre o casal. Portanto, não é possível voltar à situação anterior, sendo exigida a realização do casamento mais uma vez.

Manutenção do nome de casado

É possível que as partes mantenham o nome do cônjuge mesmo depois da confirmação do divórcio. Para isso, ambos devem estar de acordo e o divórcio deve ser consensual.

Contudo, nos casos de divórcio litigioso, o nome só é mantido se preencher os requisitos estabelecidos nos incisos I, II e III do art. 1.578 do Código Civil:

  • a retirada do nome prejudica a identificação do indivíduo;
  • gerar grave dano;
  • causar a distinção do nome do ex-cônjuge e da família.

A separação conjugal nem sempre é um momento fácil na vida do casal. É comum existirem dúvidas sobre os direitos e deveres e os documentos necessários para formalizar a extinção desse vínculo.

Além disso, podem ocorrer desentendimentos que podem prejudicar o diálogo e causar mal-estar na relação afetiva. Por isso, é importante tentar manter a harmonia e prezar pela relação amigável, acima de tudo.

A reunião de documentos para a separação conjugal é uma tarefa desgastante. Você sabia que pode emitir certidões online com comodidade e praticidade?

Receba conteúdos como esse por e-mail!

Fique por dentro dos nossos conteúdos, promoções e novidades.


Por Luciano Batista de Lima

Acadêmico de Direito. Experiência:  13 anos de atuação em Cartório de Registro Civil em Santa Catarina, sendo que destes, 8 anos foram como Oficial Substituto.

Comentários

Conteúdos Relacionados

Reconhecer Firma: Saiba tudo sobre esse assunto!

Reconhecer Firma: Saiba tudo sobre esse assunto!

O ato de reconhecer firma é necessário em muitas situações. Descubra todas as informações importantes sobre esse recurso jurídico. Você já tentou alugar um imóvel oferecido por uma imobiliária? Se sim, sabe da lista de documentos que precisa apresentar, além de cópias...

ler mais
Qual sobrenome do Marido passa para a Esposa?

Qual sobrenome do Marido passa para a Esposa?

Você vai se casar e quer saber qual sobrenome do marido passa para a esposa? Então, vale ler este texto até o final para tirar suas dúvidas. O casamento civil e a união estável são vínculos que garantem alguns direitos e deveres ao casal. A formalização do matrimônio...

ler mais
Como colocar sobrenome no filho? Saiba como fazer!

Como colocar sobrenome no filho? Saiba como fazer!

Você sabia que existem regras de como colocar sobrenome no filho? Caso nunca tenha ouvido falar sobre o assunto, você vai gostar de conhecer os critérios dessa formalização civil. Os pais de primeira viagem têm muitas dúvidas em relação aos passos iniciais da criança....

ler mais