Conheça a diferença entre procuração pública e particular!

Escrito por Luciano Batista de Lima
Publicado em 13 ago 19
diferença entre procução pública e particular

É comum que as pessoas se confundam ao chegarem a um cartório por não conhecerem a diferença entre procuração pública e particular — instrumento que confere autorização para a prática de atos jurídicos em nome de um terceiro.

Tal situação ocorre frequentemente, pois, no Brasil, são praticados e aceitos dois modelos de procuração. Assim, é preciso aprofundar-se no assunto a fim de não cometer erros.

Se você deseja conhecer mais sobre o tema para não ter mais dúvidas sobre procurações, acompanhe esta matéria que vamos apresentar todos os detalhes. Confira!

O que é uma procuração?

A procuração é um documento por meio do qual um indivíduo interessado (chamado de outorgante) transfere a outra pessoa (denominada outorgada), poderes para que ela o represente em diferentes instituições e órgãos. Bem como para praticar determinados atos em seu nome, sendo que o seu tempo de validade é definido pelo outorgante.

Assim, o seu objetivo é que o outorgante tenha flexibilidade em representações de negócios de diversas naturezas. Isso, mediante nomeação de outra pessoa para praticar atos em seu nome.

Através da procuração, é possível repassar plenos poderes ao seu representante. Isso é, quando não há delimitação acerca dos atos que podem ser praticados pelo terceiro. Ou, ainda, poderes especiais, quando o outorgante indica exatamente quais são os atos que podem ser praticados em seu nome pelo outorgado.

Qual é a diferença entre procuração pública e particular?

A procuração pública é registrada no Cartório de Notas perante um tabelião ou escrevente autorizado. Este, que é a pessoa responsável por traduzir em linguagem jurídica a manifestação de vontade do outorgante e lavrar o instrumento público descrevendo os poderes concedidos para representação.

A procuração pública fica registrada no livro do Cartório de Notas, o que promove maior eficácia e segurança jurídica. Pois o documento fica arquivado no tabelião por tempo indeterminado e, sempre que for preciso ter uma certidão dessa procuração, é possível solicitá-la.

Já a procuração particular, por sua vez, é redigida pelo próprio interessado. Mencionando as suas qualificações e as do outorgado, bem como os poderes concedidos na representação.

Em geral, na procuração particular, as partes reconhecem as assinaturas no Cartório de Notas (sendo através de semelhança ou autenticidade), com o objetivo de confirmá-la.

Contudo, o documento não fica registrado no livro e, assim, não é possível solicitar a sua certidão.

Para que serve cada uma das procurações?

As procurações, em geral, são utilizadas nas situações em que o outorgado está impossibilitado de realizar pessoalmente determinados atos (como quando ele encontra-se viajando). Nesse caso, é preciso indicar outra pessoa que agirá em seu nome.

Assim, em muitos momentos cotidianos, é possível elaborar somente a procuração por instrumento particular.

No entanto, algumas situações específicas exigem uma procuração por instrumento público. Como, por exemplo, na celebração de um casamento sem a presença do cônjuge.

É válido ressaltar que cada órgão, associação, entidade, instituição de ensino, banco, entre outros, tem regras próprias e, portanto, não são todos que aceitam a procuração particular.

Agora que você já conhece a diferença entre procuração pública e particular, assim como as particularidades de cada uma delas, o ideal é certificar-se diretamente no local em que o ato será realizado sobre qual tipo de documento deve ser apresentado.

Contudo, se o objetivo for utilizá-la para diversas práticas, a procuração pública oferece maior segurança jurídica.

Baixe Agora Um Modelo de Procuração Grátis!

Se você gostou do texto, compartilhe este artigo nas suas redes sociais (Facebook, Instagram e Linkedin). Assim, ajude os seus amigos a aprenderem sobre o tema.

 

Receba conteúdos como esse por e-mail!

Fique por dentro dos nossos conteúdos, promoções e novidades.


Por Luciano Batista de Lima

Acadêmico de Direito. Experiência:  13 anos de atuação em Cartório de Registro Civil em Santa Catarina, sendo que destes, 8 anos foram como Oficial Substituto.

Comentários

Conteúdos Relacionados

Reconhecer Firma: Saiba tudo sobre esse assunto!

Reconhecer Firma: Saiba tudo sobre esse assunto!

O ato de reconhecer firma é necessário em muitas situações. Descubra todas as informações importantes sobre esse recurso jurídico. Você já tentou alugar um imóvel oferecido por uma imobiliária? Se sim, sabe da lista de documentos que precisa apresentar, além de cópias...

ler mais
Qual sobrenome do Marido passa para a Esposa?

Qual sobrenome do Marido passa para a Esposa?

Você vai se casar e quer saber qual sobrenome do marido passa para a esposa? Então, vale ler este texto até o final para tirar suas dúvidas. O casamento civil e a união estável são vínculos que garantem alguns direitos e deveres ao casal. A formalização do matrimônio...

ler mais
Como colocar sobrenome no filho? Saiba como fazer!

Como colocar sobrenome no filho? Saiba como fazer!

Você sabia que existem regras de como colocar sobrenome no filho? Caso nunca tenha ouvido falar sobre o assunto, você vai gostar de conhecer os critérios dessa formalização civil. Os pais de primeira viagem têm muitas dúvidas em relação aos passos iniciais da criança....

ler mais